Andador: porque os ortopedistras e pediatras não recomendam.

Não não não pro andador.

 

Quando fiz um post sobre a Hora do Enxoval (abril de 2013), listando o que eu achava que uma gestante precisava para a chegada do bebê, o andador não fazia parte.

No post eu expliquei: “Você pode ter sentido falta do Andador nessa lista. Bom, meu sogro é ortopedista e há anos eu escuto o quanto pode fazer mal para a formação do bebê ele ficar no andador. Além disso, há riscos de acidentes domésticos. Recentemente, a Folha de São Paulo publicou essa matéria dizendo que a Associação dos Pediatras está fazendo campanha contra os andadores… Ou seja, na minha lista, particularmente, não não não pro andador”.

Não sei por quê, mas até hoje não fiz um post à respeito. Agora vai! hahaha

O andador e a Sociedade Brasileira de Pediatria.

É verdade que o andador confere independência à criança. Contudo, todos os especialistas em segurança infantil justamente insistem que um dos maiores fatores de risco para injúrias físicas é dar independência demais numa fase em que a criança ainda não tem a mínima noção de perigo. É consenso que a capacidade de autoproteção só é adquirida a partir dos cinco anos de idade. Colocar um bebê de menos de um ano num verdadeiro veículo que pode atingir a velocidade de até 1 m/s equivale a entregar a chave do carro a um guri de dez anos. Crianças até a idade escolar exigem total proteção.

O andador atrasa o desenvolvimento psicomotor da criança, ainda que não muito. Bebês que utilizam andadores levam mais tempo para ficar de pé e caminhar sem apoio. Além disso, engatinham menos e têm escores inferiores nos testes de desenvolvimento.

O exercício físico é muito prejudicado pelo uso do andador, pois, embora ele confira mais mobilidade e velocidade, a criança precisa despender menos energia com ele do que tentando alcançar o que lhe interessa com seus próprios braços e pernas.

O MUITOS perigos do andador

O andador continua a ser muito popular e, contra as recomendações usuais dos pediatras, é utilizado por cerca de 60 a 90% dos lactentes entre 6 e 15 meses de idade. Os motivos alegados pelos pais para colocarem seus bebês em andadores incluem:

– Eles dão mais segurança às crianças (evitando quedas);

– Independência (pela maior mobilidade);

– Promovem o desenvolvimento (auxiliando no treinamento da marcha), o exercício físico (também pela maior mobilidade), deixam os bebês extremamente faceiros e, sobretudo, mais fáceis de cuidar.

Entretanto, pesquisas e resultados nos últimos tempos têm colocado por terra todas estas teses. Segundo Danilo Blank, da Sociedade Brasileira de Pediatra, a idéia de que o andador é seguro é a mais errada delas. Há poucos meses, uma pesquisadora sueca, Ingrid Emanuelson publicou uma análise dos casos de traumatismo craniano moderado em crianças menores de quatro anos, que considerou o andador o produto infantil mais perigoso, seguido por equipamentos de playground. De fato, ao longo de mais de trinta anos, as revistas médicas têm chamado a atenção para o grande risco do andador, que anualmente causa cerca de dez atendimentos nos serviços de emergência para cada mil crianças com menos de um ano de idade. Isto corresponde a pelo menos um caso de traumatismo para cada duas a três crianças que utilizam o andador.

Um terço dessas lesões são graves, geralmente fraturas ou traumas cranianos, necessitando hospitalização. Algumas crianças sofrem queimaduras, intoxicações e afogamentos relacionados diretamente com o uso do andador, mas a grande maioria sofre quedas; dos casos mais graves, cerca de 80% são de quedas de escadas. Nos Estados Unidos, num período de 25 anos, foram registradas 34 mortes causadas por andadores, um número nada desprezível.

Dizer que o andador torna uma criança mais fácil de cuidar revela preguiça, desinteresse ou falta de disponibilidade do cuidador. Por outro lado, caso um adulto realmente não tenha condições de ficar o tempo todo ao lado de um bebê pequeno, é mais seguro colocá-lo num cercado com brinquedos do que num andador.Vários estudos já mostraram que cerca de 70% das crianças que sofreram traumatismos com andadores estavam sob a supervisão de um adulto. Ou seja, nem todo mundo reage a tempo de conter o filhote que dispara pela sala.

O melhor é cercá-la de um ambiente protetor, com dispositivos de segurança, como grades ou redes nas janelas; estas são medidas de proteção passiva, muito mais efetiva. O andador definitivamente não se enquadra neste esquema.

Andador é prejuducial ao desenvolvimento do bebê.

Segundo a Dra. Marcela Pinheiro, do site Tua Saúde, o andador para bebês pode ser prejudicial para o desenvolvimento do bebê por quê:

  • Faz o bebê andar mais tarde

A criança deve passar por todas as fases do desenvolvimento motor até aprender a andar sozinha e colocá-la no andador antes dela ser capaz de ficar de pé sozinha, mas com apoio, pode fazê-la andar até 1 mês mais tarde que o esperado.

  • Pode prejudicar as articulações do bebê

Colocar uma criança que ainda não consegue ficar de pé sozinha, mesmo que com apoio, num andador pode levar a lesões nas articulações dos membros inferiores, pois os músculos das pernas não estão devidamente fortalecidos e por isso as articulações podem ficar mais ‘frouxas’, havendo risco de lesões.

  • Forma de pisar errada

O bebê no andador adota uma postura incorreta, podendo provocar no futuro, má postura, problemas na coluna ou até ao andar. Além disso, quanto mais o bebê fica no andador, menos ele engatinha e este exercício de engatinhar e de levantar e sentar de forma constante é essencial para desenvolver a força nos músculos das pernas para que ele consiga andar sozinho.

  • O bebê pode se machucar

O bebê que utiliza o andador tem um maior risco de cair por tropeçar no tapete, nas cadeiras e nos próprios brinquedos espalhados pelo chão e ainda tem um grande risco de cair das escadas porque o andador atinge uma maior velocidade, dificultando que os pais alcancem o andador a tempo de o parar. Assim o bebê cai e corre o risco de ter até mesmo um traumatismo craniano.

Por estas razões, o andador infantil não é recomendado, sendo que ele só é indicado para crianças com problemas neurológicos, mas mesmo assim, um ortopedista ou fisioterapeuta deverão indicar o equipamento mais adequado para a altura e o peso da criança.

  • Atrasa o desenvolvimento intelectual

O bebê que fica preso no andador não consegue explorar tanto o ambiente à sua volta como as que estão livres no chão. Assim, o bebê tem menos oportunidade de se interessar pelos brinquedos à sua volta porque não consegue pegar nada do chão, por exemplo.

A Dra. Fernanda Freire, do site Seu Pediatra faz coro:

O andador pelo mundo

Em abril de 2007, o Governo do Canadá proibiu a comercialização de andadores para bebês em todo o país, determinando a total proibição de sua venda, revenda, propaganda e importação. Considerou também ilegal vender andadores em vendas de garagem, mercados de pulgas e no comércio ambulante. Recomendou ainda às pessoas que destruíssem e descartassem todos os andadores.

Existe também hoje em dia um movimento muito intenso na Europa e nos Estados Unidos no sentido de que legislações semelhantes à canadense sejam aprovadas e postas em prática, uma vez que todas as estratégias educativas têm falhado na prevenção dos traumatismos por andadores. Enquanto este progresso não chega ao Brasil, os pediatras continuam contando com o bom senso dos pais, no sentido de não expor os bebês a um produto perigoso e absolutamente desnecessário.

Alternativa que eu uso: APOIADOR.

O que estimulou e deu apoio para a Laura, 4 anos atrás foi o APOIADOR. E será o que estará na vida da Julia nessa fase agora.

Mostrei ele um pouco nesse post sobre “por que há musicas nos brinquedos infantis”, mas abaixo mostro outro exemplo de apoiador sendo empurrados.

É coisa MUITO séria, gente. Ouçam os pediatras e ortopedistas e digam não ao andador, pela saúde do filhote de vocês.

Beijokas!

(Fontes utilizada para escrever esse post: Sociedade Brasileira de Pediatria https://www.sbp.com.br/departamentos-cientificos/andador-perigoso-e-desnecessario/ , Dra. Marcela Pinheiro https://www.tuasaude.com/andador-para-bebes/  e Dra. Fernanda Freire, do site Seu Pediatra http://seupediatra.com/prevenir-e-melhor-que/andador-proibido/ )

Comente!