Crianças são um chip em branco e nós somos o exemplo.

Crianças são como um chip em branco.

daughter copy mother working on laptop

Desde que Laura nasceu, eu ouço algumas coisas enquanto mãe que sempre me fazem responder: a criança é um chip em branco, quem coloca informações somos nós, quem dá o exemplo somos nós.

Vou contar 3 situações que vivi nesse tempo, que ilustram isso e o que eu quero dizer.

“Dá chocolate, TADINHA”

A pediatra das meninas sempre disse para que esperássemos pelo menos 2 anos para dar açúcar, doces e afins para elas. Com a Laura conseguimos e esperamos fazer o mesmo com a Julia. Laura, inclusive, já sabe que é para proteger a irmã de pessoas que possam oferecer sem me perguntar antes.

Quando a Laura tinha 1 ano e 10 meses, uma pessoa que eu conheço colocou um pedaço de suflair na boca dela. Eu estava do outro lado da sala, vi a Laura cuspindo o chocolate, atravessei a sala correndo e falei: “ela não come doces! Por favor, pergunte sempre aos pais antes de dar algo para a criança”. Não falo apenas do açúcar, mas imagina se a Laura fosse intolerante a lactose??

Ela respeitou, mas vira e mexe quando falo que a Julia só comerá doce depois de 2 anos, leio em comentários do insta ou ouço: “mas, TADINHA, dá chocolate para ela”. Gente, por que TADINHA? Ela nem sabe o gosto que tem, nós é que sabemos. Seria feio da minha parte não dar, sei lá, melancia – que ela AMA – enquanto ela pede. Mas chocolate?

Não é frescura, é algo que decidimos após ler pesquisas. E, mesmo se fosse frescura, cada família faz o eu bem entender, certo? Eu não vou atrás de uma pessoa que dá chocolate para bebê de 8 meses e digo: “noooooooooossa, que horror! Você sabe o que isso causa?”. Quem sou eu para me meter?

O exemplo que se dá

Laura no ombro, nossa visão de Larissa Manoela e o segurança que tanto se indignou nesse dia.

Estava eu com a Laura no show da Larissa Manoela domingo passado, rodeada de crianças eufóricas. Ela berravam, gritavam, choravam como um dia eu já  fiz pelo Menudo, pelo New Kids on The Block e fiz recentemente com Boyz II Men em Las Vegas (HAHAHAHA).

Até aí, tudo bem. Chegou naquele final de show, quando todas as pessoas vão para a frente do palco e não fizemos diferente. Coloquei a Laura no ombro e ela ficou feliz da vida na lateral do palco cantando e gritando pela cantora/atriz que ela tanto admira.

Um pai que estava o tempo todo no limite de onde podia ficar durante o show, com seguranças de olho nele também foi para a frente do palco, com a filha sentada em apenas um lado do ombro. E foi aí que eu fiquei absolutamente passada.

O pai simplesmente tentou arremessar a filha no palco. Sendo que havia 3456 seguranças e um vão entre a plateia e o palco, feito com uma grade. O segurança deu um grito e falou da segurança da criança. Deu 2 minutos e ele fez o que? REALMENTE arremessou a filha. O segurança pegou no ar a criança e mais 2 seguranças pegaram o pai.

Houve um princípio de tumulto, eu dei vários passos para trás, com medo de ser atingida. O cara, p da vida (oi?) foi embora e o segurança só repetia: “Meu Deus, como é que ele faz isso com a própria filha? Será que ele não viu o risco? Eu pedi antes, eu avisei.”

Nesse caso, pensa comigo: que tipo de exemplo a menina tira disso? Ok, podia ser o pai tentando realizar o sonho da filha (e nós, pais, sabemos o quanto somos felizes proporcionando um sonho realizado), mas – sem nem mencionar a segurança dela E DAS OUTRAS CRIANÇAS EM VOLTA – o que a filha aprende com isso?

O que ele deve ter combinado com ela? “Olha, eu vou te jogar e você corre pra agarrar a Larissa”. Pensou que por ser criança ninguém tocaria nela? A criança vai ter como exemplo que é legal infringir regras, invadir, dar de malandrão “porque ela quer conhecer o ídolo”.

Eu juro que fiquei passada. Se essa menina daqui uns anos comete um erro assim, invade, pega porque quer, a culpa é dela? Não. Foi o exemplo que ela teve, foi como ela aprendeu que “tudo bem”.

A brinquedoteca

Quem me segue nas redes sabe que eu adoro levar a Laura no América (restaurante) por conta da brinquedoteca. Na semana de adaptação dela na escola nova, acabei fazendo uns agrados de levá-la para almoçar fora, para aliviar a tensão, sei lá.

Ao chegarmos, fomos para o 2º andar, um mezanino onde fica a brinquedoteca. Havia mais uma mesa com 2 mães e 2 crianças sentadinhas desenhando. Na brinquedoteca, 3 crianças jogando TUDO no chão. TU-DO. Principalmente os livros.

As mães olharam para mim, chamaram o garçom e perguntaram onde estavam os pais das crianças. Eu vi o garçom ficar absolutamente sem jeito pois não achava que poderia chamar a atenção das crianças.

Quando um dos meninos arrancou um negócio da mão da Laura, eu não me contive. Talvez eu não devesse ter feito isso, mas o resultado foi surpreendente.

Falei, com jeito: “olha, se você pedir, ela te dá. A Laura é uma menina bacana, você não precisa puxar dela, é só pedir”. Vendo que o menino ficou sem graça, aproveitei e falei: “Vocês estão jogando os livros e os brinquedos no chão e fazer isso estraga tudo isso. Esse espaço é para outras crianças brincarem, não é legal deixar tudo estragado para os outros, né?” E comecei a guardar as coisas.

As crianças simplesmente passaram a guardar a bagunça também e depois ficaram brincando quietinhos. Um deles até veio me contar quando o outro derrubou algo no chão. Parecia que eles nem sabiam que aquilo de antes era errado. Os pais? Não sei mesmo onde estavam.

Logo que eu falei e o comportamento mudou, as outras mães me olharam besta. E eu falei: “morro de dó, sabe? Criança é um chip em branco e devem ser orientados, ensinados. Olha eles agora…” Em algum momento eles desceram e não subiram mais, devem ter ido embora.

Não sei que dia os pais tiveram, se eles estavam sobrecarregados, não sei o que há na casa de cada um (de novo: quem sou eu pra julgar?). Mas bastou falar com as crianças e elas entenderam.

Os exemplos somos nós (H3)

Na reunião de apresentação de proposta pedagógica da escola nova da Laura, um ponto que pareceu simples foi apresentado e me fez pensar e mudar algo aqui: alguns pais e babás atravessavam fora da faixa de pedestre. Alguns inclusive perguntavam se a escola não podia mudar a faixa de pedestre de lugar (???????????????????????? Oi, isso é com o CET, não com a escola…).

Percebi que a gente sempre ia na padaria e atravessava no meio da rua. Passamos a andar mais e atravessar na faixa. Pela segurança dela e por cidadania, inclusive. Parece besta, mas eu não consigo mais atravessar fora da faixa.

E estamos falando de um exemplo que visa segurança e leis de trânsito. Imagina o resto? De falar “por favor”, “obrigada” e “com licença”, estimular a leitura lendo um livro (post acima, do instagram, também foi inspirado na reunião da escola) até não fazer pequenas malandragens “brasileiras” e tratar bem as pessoas à nossa volta.

Eles nos imitam, eles nos copiam, eles são um chip em branco esperando informações para serem moldados. Sim, educar é um trabalho diário e cansativo, mas que compensa TUDO ao ver um ser humano bacana. Pensar “são só crianças, deixa eles” é adiar um problema que depois será muito mais difícil de resolver.

Claro que uma coisa ou outra são da personalidade da criança, não se pode apontar sempre para os pais, mas O BÁSICO, sabe? Por isso eu repito: eu fico com dó pois a referência que a criança recebe é aquela, ela não sabe que aquilo é errado se alguém não corrigir ou agir diferente na frente deles.

Desculpe o textão (H3)

O post ficou enorme, desculpem. Mas eu fico indignada quando vejo uma criança agindo de uma forma e sendo culpada por aquilo. Eles não merecem, de verdade.

Um pedido: prestem atenção se algo que seu filho faz não é algo que você mesmo faz sem perceber. Muitas vezes não é consciente mesmo, a gente acostuma, sei lá.

“Ah, falou a perfeita, a que não erra!” Não, eu erro. Erro muito. Mas estou cada vez me policiando mais. Principalmente agora que a Laura entende, repete o que falamos, o que a novela fala…

Se policiar vale a pena por eles, se policiar vale a pena por nós. Que eles possam nos imitar no melhor, no amor <3

Comente!

  • Flavia

    Adorei! Perfeito o texto e suas colocações… minha filha tem 11 meses e com certeza ela ainda não entende tudo o que eu falo, mas ela já sabe copiar vários gestos, repetindo os modelos e exemplos que a gente dá. Beijo grande e parabéns!

  • Renata

    PERFEITO! Minha família tem um restaurante há 30 anos. Há 3 fizemos um espaço para crianças. Mas elas destroem, já quebraram tudo. Os pais fazem questão de sentar longe. Há alguns sábados minha mãe foi falar com uma criança, pq no dia anterior 2 mesas de clientes foram embora pq jogaram objetos. A mãe da criança não gostou e discutiu com a minha mãe. E ainda falou pra garconete: se ela encostar no meu filho, derrubo ela. Oiiii????

    Como diz meu marido: é o poste fazendo xixi no cachorro

    • Paula Francinete

      Lamentável 🙁

  • Fernanda Gomes

    Perfeito Mari ! Concordo contigo em tudo . Meu filho tem 6 anos e desde os 3 anos me faz atravessar na faixa de segurança, cuidar os sinais, tudo!
    Teve uma vez que ele veio reclamar que a minha irma não atravessa na faixa e que era errado , ainda questionou o meu pai ( o avô dele ) se não tinha ensinado a minha irma a respeitar as normas !!!!
    E até hoje quando vê alguém fazendo isso … Diz que são amigos da tia !!!!
    Beijos !!!

  • Paula Francinete

    Muitos aplausos pra esse texto! Muito bom! Não sou mãe ainda, mas sei que vai chegar a minha vez ?

    Agora deixa eu perguntar uma coisa. Como vocês mães fazem para trabalhar e ter tempo de ficar com os filhotes?

    Só pelo teu post, Mari, dá pra sentir como é duro dar atenção e dar conta de todo o resto.Sinceramente tenho receio de não conseguir dar conta de virar 1.000 em 1. kkkk

    Eu acho trabalhar na internet uma boa. E é o que eu faço. O que vocês acham?

    Tenho esse e-book aqui do Tiago Bastos que dá umas dicas legais de como ganhar dinheiro na internet trabalhando poucas horas por dia de onde quiser e sem nem precisar ser expert em internet (que é o meu caso kkk)

    Tá aqui o link: bit.ly/dinheiro-na-internet-êba (qualquer coisa é só copiar e colar)

    Eu uso o método dele pra fazer dinheiro na internet ?

    Aproveita.
    Beijão ?