Culturas, olhares…

Livro da minha querida Chris Flores: tem que ler 🙂

Como já escrevi em alguns posts (aqui e aqui), sou muito “cdf” quando me jogo em algo novo da vida. Seja com um personagem de musical, roteiro de show, roteiro de viagem…

Desde que descobri a gravidez já li 4 livros e , diariamente ou semanalmente, consulto mais 3 que descrevem semana-a-semana (no caso da Agenda da Gravidez, dia-a-dia) o desenvolvimento do bebê e da gestante. A razão dessa coisa toda não é achar todas as respostas pois sei que bebês não têm manual, que têm personalidades diferentes e etc… A razão é a pura e velha curiosidade mesmo. Aprendi e aprendo muito vendo meus sobrinhos e, desde que nasceram, foi essa mesma curiosidade que me incentivou a ajudar minha cunhada, a observá-la e aprender com ela. Ler tudo isso me ensinou mais coisas, me fez anotar e pensar e, mesmo que na prática não seja igual, mal não vai fazer…

Tenho três sobrinhos: Henrique (meu afilhado) e Eduardo vivem aqui no Brasil. Logan, filho da minha irmã, não só nasceu e vive nos Estados Unidos, como é filho de americano. Parece um mero detalhe mas não: as diferentes culturas dos dois países faz com que muitas coisas sejam diferentes na criação dos meninos. Nenhum é melhor ou pior, é apenas diferente. E muito, muito interessante.

Entrei nesse tema por duas razões. A primeira delas foi o lançamento do livro da minha querida Chris Flores, que ilustra o início desse post. Estou devorando o livro e amando. Ao ler percebi que maior parte dos livros que li ou leio até agora são escritos por americanos ou ingleses. Apenas esse livro da Chris e o do Dr. Rubens Paulo Gonçalves (obstetra que me trouxe ao mundo), mostrado nesse post, foram escritos por brasileiros. O do “Tio Rubens” é um dos que acompanho semanalmente e tem muitas informações médicas necessárias sem cair no excesso de descrição de doenças e afins, como os americanos. Eu cheguei a pular capítulos de alguns livros que focavam demais nas doenças e riscos (que gestante quer ler tanto sobre isso, gente? aff) e essa é uma das características dos livros escritos por americanos. Já o da Chris é um olhar de uma mulher acessível, normal, que fala desde as mudanças em casa, do cotidiano, do guarda roupa mais confortável e tudo mais que envolve esse período mágico (e às vezes, um pouco assustador) que a gente passa desde que descobre a gravidez até o primeiro ano do bebê. Sempre acompanhei o site da Chris e adoro a maneira como ela escreve sobre esse mundo. Vejo-a no Hoje Em Dia mostrando, por exemplo, a transição da criança da fralda pro penico de forma normal, mulher para mulher. Ver alguém tão bacana e normal mostrando essas coisas faz com que pareça menos complicado.

Na cultura americana é muito raro ter secretária do lar, empregada. Algumas têm apenas faxineira/diarista a cada 15 dias, sei lá… Isso faz com que os livros de lá te preparem para um caos ainda maior nas primeiras semanas com o bebê (congele comida semanas antes, aproveite a soneca da tarde do bebê para lavar roupa, agradeça aos céus se tiver tempo ou energia para tomar um bom banho – e não um “banho de gato” – antes de dormir e por aí vai…). É claro que não é 100% das casas brasileiras que tem um funcionário diariamente ou uma ajuda semanal mas é completamente diferente das casas americanas ou européias. Poder contar com um livro que tem a nossa realidade é um alívio em um momento em que buscamos auxílio, mais conhecimento ou apenas matamos curiosidade mesmo. 🙂

A outra razão pela qual entrei nesse tema é minha vontade INSANA de ver o documentário francês “Babies” que mostra a vida de 4 bebês de culturas completamente diferentes, até completarem o 1° ano. Amigos meus amaram e quero indicar à vocês mesmo não tendo visto ainda. No site Guiame.com.br:

“Ponijao, o último de nove irmãos nascido na Namíbia rural; Bayar, o caçula de dois irmãos que vive em uma tenda nas estepes da Mongólia; Mari, primeira filha de um casal de Tóquio; e Hattie, primogênita de um família de São Francisco.

Além do crescimento e descobertas das crianças, as peculiaridades culturais são ponto de destaque no filme. Enquanto os dois casais de classe média em Tóquio e São Francisco criam seus filhos dispondo de todo aparato tecnológico e educacional à disposição, o bebê mongol divide a água do banho com uma cabra e o africano engatinha sobre o chão de terra, que por vezes leva à boca.”

Trailer do Documentário Babies

Cada um, em seu país, bairro, cultura familiar, do seu jeito, à sua maneira, saberá o que é melhor pra si e para o seu bebê. Mas sempre, sempre conte com um pediatra (algum com quem você se sinta confortável, não tenha vergonha de trocar de profissional se não se sentir tranquila com ele), assim como mantenha contato constante com seu obstetra, para tirar suas dúvidas. Você é fruto de onde vive, da maneira como foi criado, é uma pessoa única que vai se adaptar à algumas coisas e não curtir outras. Não se force à algo ou se espelhe em nada que não te pertença, que não te deixe confortável. Sua vida terá muitas mudanças e conselhos vindo de tudo que é lugar. Muitas pessoas virão dizendo que o que você faz é errado e, se essa pessoa não for o seu pediatra, respire duas vezes, conte até 10, agradeça e siga seus instintos e aprendizados… Cada um com seu cada qual. Cada um com sua cultura, com seu olhar…

Até a próxima, lindezas 🙂

Esse material foi produzido para publicação em Veja SP

Comente!

  • Ju Mattoni

    Eu assisti ao “babies” quando estava grávida e foi lindo. Sempre que pirava querendo comprar “o mundo” pro AB, eu lembrava do filme e do baby da Namíbia que só tinha uma tanguinha e um pedacinho de osso pra brincar e era superfeliz (rs)!

  • oi Mamai Mariana belem, vai la no FAUSTÃO, um dia, e quando você chegar la no Faustão, você mande um Beijo pra mim viu Mamai da primeira viagem. eu Moro em Ichu – BAHIA

  • parabens Mariana Belem pela chegada do bebê carioso na sua casa em; eu moro em Ichu – Bahia

  • There is a critical shortage of informative atircles like this.

  • Jöyce Soares

    Olá Mariana,

    Estou esperando a minha primeira filha, Alice. E encantada com esse mundo das gestantes! (:

    Tenho pesquisado muito soobre o assunto e divido tudo nesse blog: http://www.trocandofraldaseideias.blogspot.com

    Conhece esse livro que ensina receitas deliciosas para o baby?

    http://trocandofraldaseideias.blogspot.com/2011/12/na-cabeceira-vovo-socorro-mamae-nao.html

    Felicidade para você e Laura!

    Bjs