Get Adobe Flash player

De grão em grão – Parte 1 (Frutas)

Eca, Mamãe :(

Apareço com um saco de biscoito de polvilho e a Laura solta um: “huuuuuum” com olhinhos arregalados. O mesmo acontece quando pego o saquinho do pão de queijo do supermercado e a tigelinha aonde esquento a papinha dela de noite… Além de ser MUITO fofo, me remete ao tempo em que achei que ela nunca fosse querer comer, só beber leite.

No 4o mês a pediatra liberou o suquinho. Fiquei toda ansiosa, achei que seria uma coisa imediata (lembram desse post?) e até hoje é algo que me frustra: Laura detesta suco. Vez ou outra eu consigo “enganá-la” com um copo colorido e ela não vê a cor do que vem pela frente então dá um gole ou outro (antes de fazer APFRUUUUUU com o suco na cara da mamãe aqui hahahaha). Sim, já tentei mamadeiras de diversos bicos, copo de treinamento, copo sei lá do que… Nada adianta. Aliás, Laura só toma água no copo. Copo mesmo. Não sei daonde saiu isso mas não toma na mamadeira ou outro desses acima, de jeito nenhum.

Já com frutinhas foi uma beleza. Manga, banana, maçã raspadinha… Pera não. Até que, quase no 6o mês, minha pequena pegou uma virose pelo ar. Não sabemos se foi em um elevador, no hall de algum lugar, mas pegou. Pode ter sido em qualquer lugar em que estavam outras crianças, ou seja, qualquer lugar. Rosto cheio de bolinhas, moleza e… leve ânsia ao comer uma banana amassada. Tivemos que suspender as frutinhas por uma semana e, ao retomar, ela associou o mau estar à fruta. Dali até hoje, comer fruta é uma insistência que vem dando certo. No desespero, tentei papinha pronta e ela amou. Ama enlouquecidamente, seja a normal ou a orgânica. E a impressão que eu tenho é que a fruta natural é muito mais doce, se comparada com as papinhas prontas. Daí vem aquela velha companheira da maternidade: a culpa. Ligo pra pediatra (sim, é minha primeira filha e eu ligo pra minha pediatra sempre quando surgem dúvidas) e, depois do “que que eu posso estar fazendo de tão errado? Ela nunca mais vai comer frutas como antes? Socorro”, ouvi dela que “melhor a papinha pronta do que fruta nenhuma, não tem problema algum, não se preocupe”. UFA. Comecei a misturar as frutas amassadinhas com a pronta dentro do potinho e ela SEPARAVA NA BOCA  e cospia a fruta natural. Daí passei pegar o potinho vazio e preencher com fruta natural – batidinha no mixer, pra ter a mesma textura – e dar. Ela foi aceitando e hoje come bem mais. AMA cereja e só não pode ainda comer morango, por causa dos agrotóxicos.

Vou fazendo umas experiências de bater mamão com leite, manga com leite e por aí vai. Nada foi rápido, nada é rápido quando se trata de novos passos do bebê. Requer paciência, insistência… Foi assim com a alimentação, com o engatinhar, com o falar “mamã”/”dadá” (pai)/”bobó” (vovó). E, ao mesmo tempo, quando percebo que ela fará um ano daqui 20 dias (VIN-TE DIAS), fico besta de como tudo passou rápido.

Ano que vem, quando eu escrever aqui que paguei aquele mico lindo chorando na porta da escolinha no primeiro dia dela lá, vocês vão se perguntar: “Mas, já?? Parece que foi ontem que a Laura nasceu!”. Pois é assim que reajo a tudo, quando se refere à ela. Passos esperados com paciência, cada passo observado, mas que no geral: VOOU. O tempo voa.

UPDATE: Leiam o comentário da Tatiana abaixo, é uma dica/alerta importante. Moderação sempre :) Obrigada, Tatiana!!