A importância dos desenhos – e da arte – no meu crescimento e no da Laura.

Os desenhos

Desenho que Laura fez para a Julia <3

Estamos terminando mais um período de férias escolares e de intenso grude com as meninas. Mesmo sendo eu a pessoa que acompanha elas em tudo na rotina escolar, sem ajuda de motorista ou funcionária, é nas férias que consigo observar ainda mais o desenvolvimento delas.

Julia já se agarra aos lápis/canetinhas/gizes e risca de um lado ao outro do papel. Pede que a gente contorne as mãos e os pés dela e se diverte com isso.

Mas é com a Laura que eu vejo melhor a importância do desenho e das artes na forma como ela se expressa, como ela se concentra e produz. E comigo foi igual.

Minha infância e os desenhos

Poe pra fora <3

Quando pequena eu era mais “na minha”, um pouco fechada quanto ao que eu sentia e tímida com quem eu não conhecia.

Passei a fazer psicopedagogia quando tinha uns 10 anos para que conseguisse expressar meus sentimentos, angústias, sonhos… E era através do desenho que a profissional extraía isso de mim.

Aos 28 anos comecei uma outra espécie de terapia, mais holística, que faço até hoje. Minha primeira consulta foi como? Desenhando. E disse muito sobre mim para aquele profissional que me via pela primeira vez.

Laura e a expressão de suas emoções

A escrita da maneira dela, ainda não 100% alfabetizada, mas com desenho cheio de emoção.

Laura fala mais sobre o que sente do que eu fazia na idade dela, mas sua forma de expressão maior sempre foi o desenho. A primeira coisa que ela faz quando gosta de alguém é desenhar para essa pessoa.

Quando ela erra, ela se desculpa através de um desenho, escrevendo à sua maneira seu pedido de desculpas. Até hoje eu prefiro escrever para as pessoas (mesmo que na tecnologia atual isso ocorra por email ou whatsapp) pois sinto que me expresso melhor assim.

Quando a outra criança não quer o desenho ou diz que vai jogar fora, Laura sofre como se fosse algo físico. Magoa ela demais.

A capa do cartão da Laura…

 

…e o interior do cartão <3

Colocar para fora sempre

Amo tanto

É muito importante para qualquer ser humano não somatizar, não guardar sentimentos sem colocar nada para fora. Para uma criança, então…

Somatizar machuca emocionalmente e pode até virar alguma “doença” psicossomática (ou seja, por acúmulo de emoções, angústias, frustrações e etc). Não colocar para fora os sentimentos realmente pode virar algo físico.

Então, que seja via desenho, terapia, expressão artística (dança, inclusive), estimule seu filho a colocar para fora as emoções. Um desenho pode ser mais que apenas um desenho de criança. Pode ser mais que um divertimento, pode ser libertador.

Bjos!

Comente!