Páscoa: porque EU não dou chocolate (ou qualquer doce) antes dos 2 anos.

Páscoa: aqui em casa doces e chocolates só depois de 2 anos.

Esse não é um post ditação de regra ou “menAs mãe x melhor mãe”. Esse não é um post para fazer se sentir mal uma pessoa que venha a ler as informações abaixo e que tenham feito diferente. Esse post é sobre A NOSSA decisão de não dar açúcar antes dos 2 anos para as NOSSAS filhas.

Toda vez que falei sobre isso no instagram, surgiu a pergunta do porquê eu não dava chocolate antes dos dois anos. A Páscoa chegou e tem – literalmente – chocolates pendurados no teto, então achei o momento propício.

O primeiro motivo é: logo na primeira consulta sobre introdução alimentar com a pediatra da Laura há cerca de 5 anos atrás, foi dito por ela que esperássemos até os 2 anos (junto à tantos  outros alimentos que constam em links de fontes abaixo).

Acatamos simplesmente. Se ela é a pessoa à quem eu recorro para qualquer assunto de saúde de desenvolvimento das minhas filhas, se é nela quem eu confio tudo isso, o mínimo é escutar como lei um pedido desses.

“AH, MAS TADINHA! DEIXA ELA COMER CHOCOLATE NA PÁSCOA”

Tadinha seria se eu tirasse a melancia, que ela AMA.

Sério: tadinha POR QUE? Tadinha seria se ela me pedisse melancia e eu dissesse não. Melancia ela gosta, sabe o gosto que tem. Chocolate quem sabe o gosto somos nós, não? E porque NÓS gostamos, é dizer COITADO para nossos filhos que nem sabem o gosto que aquilo tem?

Já contei aqui sobre a mãe de uma amiga que deu chocolate para a Laura quando eu estava longe e que eu surtei, né? Laura cuspiu tudo, não sabia o que era aquilo. A IRRESPONSABILIDADE ao dar algo para o filho de alguém não está somente em não perguntar sobre como a outra mãe educa seu filho, mas principalmente, em nem pensar se aquela criança pode ter alguma intolerância alimentar, diabetes e etc.

Por favor, NÃO DÊ NADA AOS FILHOS DOS OUTROS SEM PERGUNTAR ;(

Laura foi comer chocolate/doces depois de 2 anos de idade e, até hoje, come um pouco e para ela basta. Meu medo – além do que vou descrever abaixo – é que ela fosse desencadear essa coisa chocólatra que há em mim. Eu não tenho maturidade para chocolate, chega a ser compulsivo.

“Ah, mas eu comia pequena e não morri”. ÓTIMO! Acredito que eu comi antes dos 2 anos pois sei os avós que tive (hahahah), mas eu preferia não ter a compulsão que tenho por chocolates até hoje. E, baseado no que os médicos dizem, começar cedo com os doces, pode levar sim a criança a querer coisas mais e mais doces com o tempo.

Euzinha, lambuzada de chocolate em 198ealgumacoisa hahahah

Por que o açúcar só depois dos 2 anos de idade, segundo pediatras.

A maioria dos chocolates é uma adição de cacau, leite, gordura e açúcar. O leite de vaca e seus derivados só podem ser oferecidos após os 12 meses e o açúcar, que é o grande vilão, deve ser dado a criança após os dois anos. Então, está aí a razão principal para que o seu pequeno possa esperar um pouco mais para experimentar o seu primeiro chocolatinho.

Dra. Rafaella Calmon, pediatra do Saúde 4 Kids  (portal criado em 2015 pelas médicas e pediatras Fernanda Viana, Rafaela Gato Calmon e Ana Laura Kawasaka para compartilhar conhecimentos técnicos e experiências pessoais, a fim de orientar toda a família sobre cuidados com a saúde, bem-estar e comportamento da criançada), lembra que o paladar do bebê é todo “educado” nos primeiros 1.000 dias de vida, que inclui a gestação até os 2 anos de idade, então o contato precoce com doces, chocolates e guloseimas prejudica a aceitação de uma dieta mais saudável e “treina” o paladar para preferir sempre alimentos açucarados.

Além disso, se oferecido precocemente pode causar quadros alérgicos como dermatites, coceiras, rinite e até tosse. O cacau é um alimento altamente energético e rico em flavonoide (antioxidantes).

Já que o assunto é Páscoa: O CHOCOLATE, segundo pediatras.

Chocolate é rico em açúcar, cafeína, possui alto teor de gordura e pode causar alergia e problemas gastrointestinais. É um alimento que contém oxalato de cálcio, uma substância que pode causar o aparecimento de cálculo renal no organismo. De acordo com a nutricionista Susy Graff, Apesar do chocolate ser um alimento energético e rico em cálcio, ele não oferece benefícios na dieta infantil: “Chocolate não é uma fruta. O excesso pode causar aumento de colesterol e peso e trazer alguns problemas de saúde”, explica Susy. Esse texto completo, além de mais 15 alimentos que crianças devem evitar até o 2 anos está aqui.

É gostoso, mas muito rico em açúcar, gordura e cafeína. Além de viciar o paladar da criança, pode desencadear irritabilidade e ausência de sono. “Toda criança até os dois anos tem o paladar com o sabor doce. Quando a gente coloca alimentos muito mais doces do que o leite, por exemplo, estamos fazendo com que a criança eleve o nível de doce no paladar”, afirma a nutricionista Renata Buzzini, diretora da Cardapioterapia e mãe de Carlos Eduardo. Ela também explica que, assim, a criança é induzida a querer alimentos cada vez mais doces. (Fonte: Pais e Filhos)

A recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) é clara: doces são considerados calorias vazias e seu consumo não tem indicação em nenhuma faixa etária. “Mas, se houvesse a necessidade de oferta, seria somente depois dos depois dos dois anos”, diz Elza de Mello, do Departamento Científico de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

Por que o consumo é indicado somente depois dos dois anos? 

 Por diversos motivos, como não promover alteração da flora oral e, consequentemente, criar risco de surgimento de cáries e não desencadear processo de obesidade ou desenvolvimento de diabetes. Também vale citar que comer doces tão cedo (e até mesmo depois dos dois anos) vicia e empobrece o paladar. É nesta fase que a criança está desenvolvendo o paladar, portanto elas podem ficar mais tolerantes aos doces, querendo cada vez mais porções maiores, para satisfazê-las. Não raro, crianças passam a recusar alimentos salgados e só aceitam os mais adocicados, como mandioquinha e batatas, ou receitas adoçadas, como feijão cozido com batata-doce e arroz com uva-passa. (Fonte: UOL)

Tem chocolate “menos pior” para quando começar a dar?

A melhor forma de oferecer o chocolate para uma criança é a versão amarga ou a meio amarga com concentrações de cacau acima de 70% que contém bem menos açúcar, gordura e com mais nutrientes. Seu filho não vai achar horrível. Tente treiná-lo desde pequeno a comer o chocolate mais saudável. Temos que lembrar que nós, adultos, que já estamos com o nosso paladar viciado em sal, gordura e açúcar e não os nossos filhos…! Nas preparações com chocolate prefira sempre cacau em pó pelos mesmos motivos.

E meu filho maior não pode comer o ovo que a avó deu? Dra. Rafaella responde:  “Claro que pode! Gente, tudo com moderação pode, né? A quantidade de chocolate que uma criança deve comer gira em torno de 50 gramas/dia. Só ficar de olho nos exageros. Para os menores, eu sugiro na Páscoa: passeio, uma brincadeira, caça ao coelho e não aos ovos, fazer um coelho (colagem, pintura…) em família, contar a história da Páscoa para os pequenos, afinal esse é o espírito desta época, não? Compartilhar, estar com as pessoas que a gente ama e fazer reflexões. Converse com a sua família e explique porque é a sua opção não dar chocolate ainda para o seu bebê e tenham todos uma linda Páscoa!”

O tempo passa tão rápido… 2 anos é nada.

O ovo da Julia esse ano será… uma maçã <3

De novo: esse post foi escrito para tirar dúvidas. Cada um faz o que bem entender com seu próprio filho. Não estou julgando ou apontando dedos, apenas dizendo como fazemos NA NOSSA casa.

Eu pisquei e Laura tem 5 anos. 2 anos passam voando quando se tem filhos e, se você não vê a hora de dar um chocolate para ele, saiba que logo esse dia chega e você nem percebeu.

Nessa páscoa embalamos uma maçã para a Julia e daremos junto com os ovos dos mais velhos. Lúdico, saudável e perfeito para ela que nem sabe do que se trata hahaha

FELIZ PÁSCOA!!

Comente!