Viajar com crianças muda tudo, mas É BOM DEMAIS!

Laurinha toda encapotada, passeando pelo Jardim do Estoril. (Foto: Arquivo Pessoal)

Laurinha toda encapotada, passeando pelo Jardim do Estoril. (Foto: Arquivo Pessoal)

Laura nasceu dia 31 de Dezembro. Como festa seria impossível, quisemos celebrar do nosso jeito, indo para um lugar especial para nós, não tão frio e que significasse algo. Portugal é um país que amamos e que acolheu minha mãe como se ela tivesse nascido lá. Meu marido se apaixonou pelo país e, desde que foi pela primeira vez conosco, não quis ir para outro lugar.

Quando decidimos a viagem, fui fazer o que mais amo: planejar o que fazer, aonde ir, aonde comer… Dessa vez, além de ser algo que eu gosto, era algo imprescindível, pois eu queria achar lugares para a Laura se divertir. E lá fui eu me jogar no nosso amigo Google.

Viajar com crianças é algo bem diferente. Antes, cada ida a Portugal era: alugar carro e fazer várias cidades por dia, empurrar o almoço pra hora que quisesse (ou pra hora que conseguíssemos chegar na cidade aonde o restaurante que queríamos se encontrava), beber vinhos, ir ao Casino Estoril, jantar tarde, ir para algum bar… Com a Laura foi uma viagem completamente diferente – e deliciosa. Farmacinha prontinha com tudo que a pediatra indicou e “vumbora”!

Escolhemos um vôo noturno, para que a Laura dormisse o máximo possível e não ficasse entediada dentro do avião. Assim que compramos a passagem, perguntamos quando já poderíamos reservar os assentos. Queríamos a primeira fileira (fosse na primeira parte da econômica ou na segunda parte), aonde há a opção de colocar aquele berço preso na “parede”. Reservamos com antecedência e fomos pro aeroporto com 3 horas de antecedência (dar jantar pra Laura em alguma salinha do aeroporto, preparar a mamadeira pra subida do avião – pra não entupir ou doer o ouvidinho com a pressão – e etc…). Chegando lá a moça do check in disse que o berço era só para crianças de 2, 3 meses… FUÉÉÉNN Pensei: “Bom, pelo menos tem mais espaço para a Laura no colo nessa fileira”. Chegando no assento, vi escrito na parede em que vai o berço: “peso máximo: 11kgs” YUPIIIIIIIIIIIIIIIIIII a Laura pesa 10kgs! hahaha Um salve pra moça mal informada no check in! Laura dormiu mamando enquanto o vôo subia e foi pro berço assim que liberado pelo comissário. Dormiu até a chegada (não digo o mesmo sobre nós: ficávamos acordando e olhando pra ela, achando que ela poderia, sei lá, pular de lá, a qualquer instante HAHAHAHA Coisa de pais de primeira viagem, já que o berço é profundo).

A primeira coisa que fizemos ao chegar foi ir ao supermercado. Quase pirei na parte de coisas infantis porque tem MUITA coisa que aqui não encontramos, até mesmo biscoitinho para bebês, feitos sem açúcar, de forma saudável, com leite especial e etc… Muitas opções de papinhas orgânicas, comidinhas congeladas com pescada, guisado… Comprei frutas (Laura está apaixonada por Mirtilos desde então), opção de papinha de fruta e o biscoito. País novo, tudo diferente, frio… Não quis que ela ficasse desconfortável em nada e, tendo diferentes opções de alimentação, tudo ficava mais fácil.

Minha mãe também foi pra lá e pedimos um berço em cada quarto, além de uma chaleira elétrica no quarto (sim, eu acostumei a Laura com leite quente, pode dizer “eu te diiiiisse”…). O quarto da minha mãe tinha porta entre o mesmo e uma sala. Se ficássemos no quarto dela até mais tarde, pra comermos um queijinho, conversar com amigos e etc, o banho e mamadeira noturna eram dados lá e ela dormia ali. De manhã, Mamy me ligava e eu já ia com a mamadeira pronta pra lá. Laura dormiu com a vovó umas 3 noites, inclusive em uma noite em que ela nos MANDOU ir para o Casino Estoril, curtir um jantar gostoso a dois. Fofa minha mãe hahahaha

O que muda, principalmente, são os horários. Impreterivelmente, tínhamos que estar em algum restaurante (ou no hotel) às 12:30 e às 20:30hs. Os lanchinhos dava para dar aonde estivéssemos (queijinho, pão, papinha de fruta…), mas as refeições não. E isso foi bacana porque nos obrigou a ter uma rotina mais saudável para nós também. Daí, ela comia primeiro e, assim que os nossos pratos chegavam, a RAINHA MUSA MARAVILHOSA Galinha Pintadinha ficava ali entretendo a pequena, que dançava e batia palmas praquela azulzinha que amamos. Hahahah Nos restaurantes e no hotel, de noite, pedíamos sopinhas espessas de legumes para que não houvesse risco de má digestão tão longe de casa. No almoço, descobertas: um pouquinho de peixe aqui, um queijinho fresco ali… Graças a Deus, correu tudo bem.

Levamos brinquedos na mala, assim como casacos bem quentinhos, meia calça de lã (para meninos também é essencial  porque usamos debaixo da jardineira, da calça…), gorrinho, luva (que a Laura não deixa na mão nem a pau hahaha), o leite em pó e o cobertorzinho que usamos aqui e tudo mais que confortasse ela, já que a opção de viajar foi nossa.

Viajar com crianças é uma delícia, principalmente porque nós acabamos por fazer uma viagem diferente, com outro foco, outras descobertas. O olhar dela ao ver coisas novas, cada coisa que ela viu e aprendeu… É impagável, é único. Seja para Portugal ou para algum lugar a meia hora de onde moramos, é sempre um aprendizado para nós e para eles.

Comente!